A Copa Passou Por Aqui

 
(HD, 11 x 15 min, cor, 2014)
(janela 1.77, som 2.0)
Sinopse geral:

 Durante um acontecimento que ficou marcado na história do Brasil, onze cineastas documentaram, através de uma abordagem autoral, as várias questões que divergem a opinião dos brasileiros sobre a Copa.

Uma coprodução entre Sport Tv/Globosat e Casa de Cinema de Porto Alegre, a série em 11 episódios de 13 minutos conta com Esmir Filho, Tata Amaral, Vicente Moreno, Davi Preto, Maria Augusta Ramos, Leandra Leal, Rita Toledo, Carolina Benjamin, Beto Magalhães, Anna Flávia Salles, Adirley Queirós, Lázaro Ramos, Kleber Mendonça e Jorane Castro no time de diretores.

Além da discussão crítica, a série traz um panorama estético e visual da produção cinematográfica no Brasil.

SINOPSES
 
Como se Vive, como Se Torce
Direção Davi Pretto
Porto Alegre
O episódio “Como se Vive Como se Torce”, dirigido por Davi Pretto, mostra a comoção e detalhes de um dia de diferentes pessoas para um assistir um jogo da seleção brasileira, observando as peculiaridades e o fio invisível que os une. Um confeiteiro que vai estar trabalhando, um motorista de tele-entrega, uma família que se prepara há dias para assistir o jogo, um porteiro, um cobrador de um ônibus, etc. Todos brasileiros, seja onde for e como for, estarão conectados entre si e interagindo com a partida. Vamos descobrir como cada um deles torce.
 
Copa de Botão
Direção  Esmir Filho

São Paulo
COPA DE BOTÃO aborda os diferentes pontos de vista de estrangeiros que vivem em São Paulo. Enquanto disputam um campeonato de jogo de botão, cada personagem ou jogador, representando o time de sua nacionalidade, debate com seu adversário questões relevantes sobre como é viver no Brasil sendo estrangeiro, as diferenças e semelhanças com seu país de origem, a relação construída com a cidade de São Paulo e claro, a relação de cada um com o futebol e com a copa que passou por aqui.
 
Tudo ou Nada em Soterópolis
Direção Lázaro Ramos
Salvador
Após o sorteio do calendário dos jogos da Copa do Mundo e somados os feriados, Salvador ficou com apenas 04 dias úteis, ou seja, um grande "feriadão em Salvador", durante a Copa. Diante desta situação inusitada Tudo ou Nada em Soterópolis retrata aqueles que vibram com a Copa do Mundo, torcedores e fanáticos por futebol, e também aqueles para quem a Copa do Mundo não chega com o mesmo "fervor". Viveremos com eles momentos importantes durante a Copa, olhando por perspectivas distintas o mesmo fato: o futebol.O filme apresenta ao espectador uma Bahia torcedora, mas uma Bahia real com suas áreas litorâneas, subúrbio, comércio, parte história e turística, uma Bahia real em sua diversidade e claro, em seu bom humor.
 
 
Guerra de Gigantes
Direção Beto Magalhães e Anna Flávia Salles
Belo Horizonte
 
Numa conversa entre duas gerações de apaixonados por futebol, histórias sobre as duas copas que ocorreram em Belo Horizonte são contadas. Aqui aconteceu uma das maiores zebras da história do futebol, a derrota da Inglaterra para os EUA, quando os ingleses acreditavam ter ganhado o jogo mesmo antes de jogar, em 1950. O mesmo ocorreu com o Brasil na triste partida contra o Uruguai, que resultou no Maracanaço.  Em BH, 64 anos depois, uma despreparada seleção acredita poder vencer a Alemanha. Cenas inéditas de um grupo de torcedores reverberam a perplexidade que atravessou o país durante os 7 X 1 da Alemanha contra a seleção brasileira. E fez-se o Mineiraço.
 
 
 
 
O Time da Croa
Direção: Jorane Castro
Belém do Pará
 
No Nordeste do Pará, os pescadores que vivem na Praia de Ajuruteua, município de Braganca, são apaixonados por futebol. Não perdem um jogo da Seleção ou dos times paraenses para os quais torcem. Além disso, todo fim de tarde, quando o sol já está mais ameno, eles se encontram nos diversos campinhos de futebol espalhados pelo vilarejo, para bater uma bola.
 
Os pescadores de Ajuruteua levam tão à sério a paixão pelo esporte nacional que sempre embarcam com uma bola acomodada na proa do barco. Quando podem, eles encontram os parceiros de pescaria nas croas, como são chamados os bancos de areia naquela região, para um pelada. Ali, à maré baixa, eles jogam futebol, neste campo efêmero, criado pela natureza, antes de voltar para o mar aberto e enfrentar os desafios de mais uma pescaria.
 
Sinopse: " Meu Nome é Maninho"
Direção: Adirley Queirós
Brasília
 
Durante a passagem da Copa do Mundo do Brasil em Brasília, acompanharemos Maninho, um ex-jogador de futebol profissional que hoje trabalha como ambulante, vendendo águas e bandeiras das seleções. Neste trajeto do seu novo emprego, lembranças despertam uma memoria recente que ao mesmo tempo é lúdica e melancólica. Afinal, qual jogador de futebol no Brasil nunca sonhou em disputar uma Copa do Mundo?
 
Depois da Avenida
Direção Vicente Moreno
Porto Alegre
 
O impacto da Copa do Mundo sobre uma humilde comunidade vizinha ao estádio Beira-Rio em Porto Alegre. Sem acesso ao grande evento, os moradores da Vila Gaúcha encontram outras formas de preencher suas vidas. Acompanhamos sua rotina antes e durantes os jogos, traçando um retrato sensível desses que moram tão perto da festa, mas não têm tantos motivos para celebrar.
 
Pedra que Canta, Pedra que Dorme
Direção Tata Amaral
São Paulo
 
A casa de Odair fica perto do Itaquerão, estádio paulistano que sediará a abertura da Copa de 2014. Animados com a perspectiva da vinda de turistas para o bairro, Cristina, sua namorada, decide alugar sua casa.No pacote, oferecem serviços de transfer, sight seeing e temporada na casa de Cristina, que fica em Praia Grande, litoral paulista.
Ritos
Direção Maria Augusta Ramos
Rio de Janeiro
 
Filmado no Rio de Janeiro, o episódio RITOS, acompanha a Copa do ponto de vista de dois grupos de jovens cariocas: um que se reúne no tradicional reduto de torcedores do bairro da Tijuca, o Alzirão e outro, formado por jovens da Frente Nacional dos Torcedores. Enquanto o primeiro grupo dedica-se a decorar sua rua de verde e amarelo, enfeitá-la com bandeirolas e montar um grandetelão para receber milhares de torcedores;o outro tem um importante atuação política nas ruas questionam o processo de elitização do futebol, os altos preços dos ingressos e os bilhões gastos com as reformas dos estádios.
 
A Copa do Mundo no Recife
Um Registro de Kleber Mendonça Filho
Recife
 
Kleber Mendonça Filho, realizador pernambucano de Vinil Verde, Recife Frio e O Som ao Redor juntou uma equipe de colaboradores amigos nos meses de Junho e Julho de 2014, para registrar a passagem da Copa do Mundo na cidade do Recife. A única real pretensão desse filme de 13 minutos: oferecer um arquivo para o futuro de um momento singular na cidade, que recebeu o futebol globalizado e perseguido por multidões de visitantes estrangeiros. O Recife, passando por tantas mudanças, foi o pano de fundo para uma festa de alegria e tensão, esportiva e política, uma experiência feliz, mas repleta das contradições que fazem o Brasil ser o Brasil, que aqui ganha a cara e o espaço do Recife.
 
Aquele Abraço
Direção Leandra Leal, Rita Toledo e Carolina Benjamin
Rio de Janeiro
 
Eles vieram de bicicleta, a pé, de ônibus, de trailer. Atravessaram desertos, cruzaram o continente, dormiram na rua, em hotéis nas favelas. Munidos com suas câmeras, milhares de viajantes circularam pela cidade sem gastar muito dinheiro e viveram a Copa do Mundo como uma grande festa. Construído inteiramente com as imagens feitas pelos próprios turistas, o curta mostra o Rio de Janeiro que eles descobriram e as aventuras de viver o avesso da Copa do Mundo.