O COMPRADOR DE FAZENDAS

Roteiro em modo texto: [ Download ]

               O COMPRADOR DE FAZENDAS
               episódio da série
               BRAVA GENTE

               original de Monteiro Lobato
               adaptação de Carlos Gerbase
               e Jorge Furtado

               oitavo tratamento (final) 21/03/2001

               produção: Casa de Cinema de Porto Alegre
               para TV Globo

******************************************************

CENA 1 - FAZENDA DO ESPIGÃO/PISCINA - EXTERIOR - DIA

(créditos iniciais superpostos)

Uma paisagem bonita: a casa da fazenda ao fundo, céu azul, nuvens
brancas, a piscina, duas roseiras em flor. Um bonito cavalo pasta
perto de uma pequena laranjeira carregada. Duas galinhas ciscam.

               DAVI (OFF)
               Não é uma beleza?

DAVI, 50 anos, de chapéu e roupas simples, e SALGADO, 30 anos,
vestindo roupas urbanas, estão parados na estrada. Salgado leva
um jornal dobrado em baixo do braço.

               SALGADO
               Bonito mesmo.

               DAVI
               O senhor não sabe o que é a lua cheia nascendo por
               trás da casa...

               SALGADO
               Eu imagino. Mas eu preciso da fazenda pra plantar.
               Qual é a produtividade por hectare?

               DAVI
               É enorme, doutor Salgado. Enorme.

               SALGADO
               O senhor produz o quê?

               DAVI
               De tudo. (aponta) Rosas. Laranjas. Galinhas.
               Cavalos. A lua.

               SALGADO
               Mas o senhor planta o quê?

               DAVI
               Ah, o senhor quer saber da plantação?

               SALGADO
               Isso.

               DAVI
               É pra lá.

Davi põe a mão no ombro de Salgado, forçando-o a olhar para outro
lado. Davi aponta.

               DAVI
               O senhor está vendo aquela árvore seca lá adiante?

               SALGADO
               Onde?

Ao fundo, as duas roseiras saem correndo da paisagem.

               DAVI
               Lá onde está voando aquele quero-quero.

               SALGADO
               Qual?

Ao fundo, ISAURA, 45, e ZILDA, 18, entram em cena tentando, sem
fazer muito barulho, segurar as galinhas.

               DAVI
               O quero-quero macho.

               SALGADO
               Como o senhor sabe que é macho?

Isaura e Zilda saem de cena com as galinhas.

               DAVI
               Ah, isso é difícil de explicar assim para um
               leigo. É mais pelo jeitão dele mesmo.

               SALGADO
               Seu Davi, eu não estou interessado em quero-quero,
               nem macho, nem fêmea.

Ao fundo, Zilda e Isaura puxam um carrinho de mão onde está o
vaso com a laranjeira. O cavalo, que está amarrado na laranjeira,
também sai de cena.

               SALGADO
               (mostra o jornal) O senhor anunciou uma fazenda
               com excelente produtividade, mas não especificou
               qual a produtividade, nem o que o senhor planta.
               Eu quero ver a sua plantação.

               DAVI
               Ah, o senhor quer ver a plantação?

               SALGADO
               Foi o que eu lhe disse desde o início. O senhor é
               que resolveu me mostrar a piscina e... (faz menção
               de virar-se, mas Davi o detém).

               DAVI
               A piscina o senhor já viu, não precisa ver de
               novo. Eu vou lhe mostrar o que eu planto. Por
               aqui, por favor.

CENA 2 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FUNDOS - EXTERIOR - DIA

Uma pequena horta perto dos fundos da casa. Duas galinhas ciscam.
Ao fundo, duas roseiras em flor. Um bonito cavalo pasta à sombra
de uma laranjeira carregada.

               DAVI
               Olha só. Não é uma beleza?

               SALGADO
               (impaciente) É.

               DAVI
               O senhor precisa ver o que é a lua nascendo por
               trás da (casa).

               SALGADO
               Mas, afinal, de que lado nasce a lua?

               DAVI
               Isso varia muito. Ela é de lua. Ah, ah, ah...

               SALGADO
               (sério, quase grosseiro) Olha, seu Davi. Afinal,
               onde está a plantação? Isso aqui é uma horta:
               tomates, alface, duas roseiras, (estranhando) um
               pé de laranja e um cavalo branco.

Pára. Olha para o cavalo.

               SALGADO
               Esse cavalo não é aquele?

               DAVI
               Aquele qual?

               SALGADO
               Aquele outro.

               DAVI
               Que outro?

               SALGADO
               O outro cavalo.

               DAVI
               Ah, não senhor, esse é outro.

               SALGADO
               Pois esse outro é igualzinho ao outro.

               DAVI
               É verdade. A gente até pensou em fazer uma mancha
               para diferenciar os dois e acabar com essa
               confusão.

               SALGADO
               Por favor, eu quero ver aquele outro cavalo.

               DAVI
               Para que? O senhor não disse que este é
               igualzinho? Vê este!

               SALGADO
               Eu quero ver aquele.

Isaura sai de trás da laranjeira.

               ISAURA
               Primeiro, o senhor vai tomar um cafezinho.

               DAVI
               Isaura, minha esposa.

Isaura se posiciona de modo a forçar Salgado a olhar para o outro
lado.

               SALGADO
               Muito prazer.

Ao fundo, Zilda tira o cavalo da horta.

               ISAURA
               O prazer é todo meu. (pega uma garrafa térmica,
               serve café) O café tá fresquinho. Açúcar?

               SALGADO
               Um pouquinho.

               ISAURA
               Quantas colheres?

Ao fundo, Zilda tira a laranjeira da horta.

               ISAURA
               O senhor quer que eu mexa, ou senhor mesmo gosta
               de mexer?

Ao fundo, Zilda leva as galinhas.

               SALGADO
               (mais impaciente que nunca) Para mim é
               indiferente.

               ISAURA
               Então vou mexer do meu jeito que, pelo menos
               comigo, sempre dá certo.

               DAVI
               Isso é verdade. Quando a Isaura mexe um café, tá
               mexido.

Ela mexe o açúcar com a colher de um jeito bastante peculiar e
lento.

               SALGADO
               Está bom assim. Obrigado.

Salgado pega a xícara e bebe de um gole.

               SALGADO
               Agora vamos ver aquele cavalo.

               DAVI
               Por aqui. (aponta para o lado) É um atalho.

CENA 3 - FAZENDA DO ESPIGÃO/PISCINA - EXTERIOR - DIA

Salgado, seguido de Davi e Isaura, chega suando na piscina, onde
já estão as galinhas, a laranjeira e o cavalo. Salgado olha para
o cavalo.

               SALGADO
               É igualzinho.

               DAVI
               Parece mesmo.

               ISAURA
               Cara de um, focinho de outro.

               SALGADO
               Onde estão as roseiras?

Zilda levanta de trás da laranjeira, levando as mãos à cabeça.

               ZILDA
               Me esqueci das roseiras.

CENA 4 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FACHADA - EXTERIOR - DIA

Salgado, furioso, é seguido por Davi até o seu carro. Isaura e
Zilda acompanham.

               DAVI
               Eu faço um desconto no preço da fazenda.

               SALGADO
               De graça, é caro.

               DAVI
               Dou a laranjeira de brinde. Pode levar agora
               mesmo. Vendo os dois cavalos pelo preço de um.

               SALGADO
               Que dois cavalos? Só tem um.

               DAVI
               Então vendo um por preço de dois. É pegar ou
               largar.

Salgado arranca com sua caminhonete, levantando uma grande nuvem
de poeira sobre a infeliz família Moreira de Souza, ainda reunida
na frente da fazenda. Os três olham, desesperançados, a
caminhonete afastando-se.

               ISAURA
               Acho que ele largou.

               ZILDA
               E se a gente baixar mais o preço?

               DAVI
               Se baixar mais, vou ter que pagar pra me livrar
               dessa desgraça.

Os três olham para a casa.

               ZILDA
               Quanto? Talvez valha a pena.

               DAVI
               Não fala bobagem.

               ZILDA
               Todos que vêm aqui fogem correndo.

               ISAURA
               São uns idiotas, insensíveis, não reconhecem o
               valor histórico da fazenda. Se este país fosse
               sério esta casa seria tombada.

               DAVI
               Pra quê? Já está tombando sozinha.

               ZILDA
               Se, pelo menos, a casa não parecesse tão velha.

               ISAURA
               Antiga, Zilda. A casa não é velha. É antiga!

               DAVI
               Tá bom... (abraça a mulher) Vamos pra dentro,
               minha antiga.

               ISAURA
               Antiga é a sua avó. Eu não tenho uma ruga.

Davi pára e aponta para a casa

               DAVI
               É isso!

               ZILDA
               Isso o quê?

               DAVI
               Não adianta enfeitar só a horta e a piscina. A
               casa tá cheia de rugas. Temos que fazer uma
               maquiagem, dar um pinturinha, cobrir as
               rachaduras. O homem da imobiliária disse que o
               outro interessado vem na segunda-feira. (olha para
               as roupas das mulheres) E vocês precisam se
               arrumar melhor.

               ZILDA
               Com que dinheiro, pai?

               DAVI
               As tintas, a gente compra fiado. E as roupas, dá-
               se um jeito. Vamos começar de uma vez!

CENA 5 - FAZENDA DO ESPIGÃO/VÁRIOS LOCAIS - EXT/INT - DIA

Cena de montagem. Davi, Isaura e Zilda fazem uma operação de
guerra para disfarçar os problemas da casa. Davi lava paredes com
uma mangueira velha, furada, amarrada com arame; Zilda limpa a
mesa do jardim (que está coberta de fungos); Davi corta o
emaranhado de galhos da fachada; Isaura costura a forração de
sofá; Davi pinta as paredes externas e o portão; Isaura coloca
quadros em cima de todos os buracos e manchas nas paredes
internas; Davi coloca vinho de garrafão numa garrafa de vinho
importado; Isaura retira uma velha cortina da janela e
experimenta o tecido sobre o corpo de Zilda; Zilda cobre o sofá
com panos e colchas; Davi põe um tapete na escada escondendo os
buracos dos cupins. Uma maquiagem executada com muito esforço e
suor, mas evidentemente incapaz de resistir a um exame mais
sério.

CENA 6 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FACHADA - EXTERIOR - DIA

Fim de tarde. Os três apreciam o resultado do trabalho e começam
a recolher o material.

               DAVI
               Ficou uma beleza. Acho que vou até subir o preço.

               ZILDA
               Paizinho, querido... Se... Por um acaso... A gente
               vender mesmo essa joça, o senhor me paga aquele...
               (teatral) curso de interpretação para cinema e TV?

               ISAURA
               Tu sonha demais, minha filha.

               DAVI
               E vê novela demais.

Zilda olha para o pai, irritada.

               ZILDA
               Eu vou ser atriz! De cinema e TV.

               DAVI
               E eu vou ser pescador! De vara e carretilha.

               ISAURA
               Antes que vocês dois gastem tudo em bobagem, nós
               vamos comprar uma casinha na cidade. Já andei
               vendo os preços.

CENA 7 - FAZENDA DO ESPIGÃO/COZINHA - INTERIOR - NOITE

Numa mesa da cozinha, os três jantam. Isaura traz a comida de um
fogão a lenha.

               ZILDA
               Uma atriz de novela ganha milhões, pode comprar
               muitas casas.

               DAVI
               O milho no pé, e já tá fervendo água pra
               polenta... Primeiro nós temos que enrolar o
               comprador.

               ISAURA
               Eu estou preparada. Fui até a venda.

Isaura abre um armário e traz para a mesa uma coleção de
"gulodices de hospedagem": um grande queijo colonial, biscoitos
variados, rapadura, duas lingüiças, uma garrafa de pinga "da
especial" e um pastelão de palmito. Davi e Zilda olham para tudo
aquilo, gulosos.

               DAVI
               Este pastelão é de quê?

               ISAURA
               Palmito.

               ZILDA
               (teatral) O moço não há de querer tudo.

               DAVI
               Olha! Ela já está falando que nem novela das seis.

               ISAURA
               (guarda tudo no armário) Se sobrar, a gente come.
               Pra fazer vista tem que ficar inteiro.

               ZILDA
               (boceja) Espero que ele não venha muito cedo
               amanhã.

               ISAURA
               Moço da cidade, deve acordar meio-dia.

CENA 8 - FAZENDA DO ESPIGÃO/PORTÃO - EXTERIOR - DIA

O primeiro sol da manhã ilumina a fachada da casa. Um táxi pára
no portão. Buzina.

montagem paralela com

CENA 9 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA - INTERIOR - DIA

Davi, Isaura e Zilda aparecem na sala, ainda com as roupas de
dormir. Isaura olha pela janela.

               ISAURA
               É ele!

               ZILDA
               Quem?

               DAVI
               O comprador.

Os três vão para a janela.

PEDRO TRANCOSO, 30 anos, terno e gravata, carregando uma pasta e
um tubo (estes de projeto arquitet"nicos) desce do táxi.

Ponto de vista deles. Pedro coloca a mão no portão, recém-
pintado, e, ao ver as mãos sujas de tinta, pragueja.

               ZILDA
               Bem apessoado. Bem vestido.

               ISAURA
               É moço.

               DAVI
               Tem jeito de quem tem muito dinheiro.

Pedro tenta empurrar o portão.

               DAVI
               Vamos ver se é forte.

O portão não abre. Pedro empurra com toda a força. O portão cede.
Pedro cai no chão.

               ISAURA
               É forte. Não deve ter nem trinta anos.

Pedro levanta-se, limpa a roupa, olha na direção da casa e sorri,
um sorriso luminoso, de quem está de bem com a vida. Os dentes
são perfeitos.

               ZILDA
               (derretendo-se) Ele é bonito! Tenho que me
               arrumar!

Zilda sai correndo.

               ISAURA
               Eu também!

Isaura sai.

               DAVI
               Eu também.

Davi põe o pijama para dentro da calça e sai para receber o
comprador.

CENA 10 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FACHADA - EXTERIOR - DIA

Davi sai da casa, fechando a calça. Pedro estende a mão para
Davi.

               PEDRO
               Pedro Trancoso de Carvalhais Fagundes. Ao seu
               inteiro dispor.

               DAVI
               Davi Moreira de Souza.

Pedro percebe a mão suja de tinta e recolhe o braço.

               PEDRO
               O portão foi pintado?

               DAVI
               Estes dias.

               PEDRO
               (decepcionado) Que pena.

               DAVI
               A casa inteira foi reformada.

               PEDRO
               Que desgraça!

               DAVI
               Desculpe, mas eu não estou entendendo.

               PEDRO
               Estou procurando uma fazenda em ruínas. Um velho
               casarão decadente. Parecido com esse, mas sem a
               tinta.

               DAVI
               Eu imagino como seria.

               PEDRO
               Tenho receio que essa pintura tenha alterado a
               personalidade da casa.

               DAVI
               Quanto a isso, o senhor pode ficar tranqüilo.
               Nisso aí nós não mexemos, não. Nem na
               personalidade, nem no assoalho.

Vão caminhando na direção da casa.

               PEDRO
               Seu Davi, se este país fosse sério esta casa seria
               tombada.

               DAVI
               É o que eu sempre digo.

               PEDRO
               Meu interesse na fazenda é cultural. Quanto mais
               intocada, melhor e mais valiosa.

CENA 11 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE ESTAR - INTERIOR - DIA

Os dois entram na casa.

               PEDRO
               Eu quero uma casa tomada por cupins.

               DAVI
               (chuta um tapete que encobria um buraco de cupim)
               Bem, procurando talvez o senhor ache algum por aí.

               PEDRO
               Paredes descascando, escadas em ruínas...

               DAVI
               (tira um quadro, revelando a parede rachada) Dá-se
               um jeito.

Pedro caminha pela casa, examina a mobília.

               PEDRO
               Mobília capenga...

               DAVI
               (chuta o calço do pé da mesa) A gente encontra.

Pedro olha para o teto, vai até a janela.

               PEDRO
               Reboco caindo, vidraças sem vidro.

               DAVI
               Pagando bem eu lhe consigo tudo isso.

Pedro olha para os campos.

               PEDRO
               (recitando) "Os pastos ensapezados, formigantes de
               carrapatos".

               DAVI
               Que bonito!

               PEDRO
               É do Monteiro Lobato.

               DAVI
               Não entendi, mas eu lhe arranjo.

Isaura entra na sala, muito arrumada, com roupas que parecem do
início do século.

               DAVI
               Minha esposa, Isaura.

               PEDRO
               Pedro Trancoso, encantado.

               ISAURA
               (apertam-se as mãos) Desculpe não recebê-lo na
               porta, mas segunda é o dia de folga dos
               empregados.

               DAVI
               Eu estou mostrando nossos trastes ao doutor.

               ISAURA
               O senhor não sabe como me dói vender esta casa.
               Ainda mais agora, quando a fazenda vai tão bem.

               DAVI
               Exagero dela.

               ISAURA
               Os campos tratados, a casa como nova.

               DAVI
               É só aparência.

               ISAURA
               (Isaura traz o pastelão) Aceita um pastelão de
               palmito?

               DAVI
               É de ontem. (para Isaura) O doutor Trancoso está
               interessado na casa por motivos culturais. Disse
               que, se este país fosse sério, esta casa seria
               tombada.

               ISAURA
               Não me diga!

               DAVI
               Quem disse foi ele.

               PEDRO
               Um preciso de um velho casarão. Imponente, mas
               decadente.

               DAVI
               Parecido com esse, mas sem a pintura. E ele quer
               os campos carrapantes de formigas.

               PEDRO
               Formigantes de carrapatos.

               DAVI
               Isso. Quanto pior, melhor.

               ISAURA
               (sem entender nada) Ah... Entendi.

Zilda, muito bonita, com o vestido feito com o tecido da cortina,
entra na sala.

               DAVI
               Minha filha, Zilda.

               PEDRO
               (interessado) Muito prazer.

               ZILDA
               (cumprimentam-se) O prazer é meu.

               PEDRO
               (sem soltar a mão dela) Desculpe, mas eu faço
               questão. O prazer é todo meu.

Davi separa a mão dos dois.

               DAVI
               Fica metade do prazer para cada um e não se fala
               mais nisso.

               PEDRO
               Por acaso a senhorita é atriz?

               ZILDA
               Não. Por quê?

Pedro examina o rosto dela. Segura-a pelos ombros e a coloca em
outra posição, perto da janela.

               PEDRO
               (examina-a de alto a baixo) Deveria ser.

               DAVI
               O doutor Trancoso está procurando um velho casarão
               decadente.

               ZILDA
               Para quê?

               ISAURA
               É, isso é uma pergunta muito boa. Para quê o
               senhor quer a fazenda?

Pedro pega o tubo.

               PEDRO
               Deixa eu lhe mostrar o meu banner.

Davi se coloca entre Pedro e as duas mulheres.

               DAVI
               Seu Pedro, a família é humilde mas é decente.

               PEDRO
               Banner é um cartaz. O senhor já vai entender.

Pedro tira do tubo um banner onde se lê: Trancoso Produções
apresenta "O Comprador de Fazendas". Da obra de Monteiro Lobato.
Um casal se beija. Ao fundo, uma bela ilustração de uma fazenda.

               DAVI
               O que é isso?

               PEDRO
               Um filme. Mais uma super-produção do cinema
               nacional.

               ZILDA
               (interessada) O senhor fez um filme?

               PEDRO
               Vou fazer. Se Deus quiser, aqui, nesta fazenda.

               DAVI
               Filme? E isso dá dinheiro?

               PEDRO
               Depende do projeto.

Pedro espalha sobre a mesa uma série de desenhos, story-board,
figurinos, cenários.

               PEDRO
               O comprador de fazendas é um conto de Monteiro
               Lobato. É a história de uma família que disfarça
               uma fazenda decadente para tentar vender para um
               otário. Eu vou aceitar o pastelão.

               DAVI
               Interessante. Muito original.

Isaura corta o pastelão e serve num prato. Estende o prato para
Pedro.

               PEDRO
               Aí aparece um comprador interessado, passa o fim-
               de-semana na fazenda, comendo do bom e do melhor e
               vai embora. E a família descobre que ele é um
               tremendo picareta.

Isaura afasta o prato da mão de Pedro.

               ISAURA
               (desconfiada) E aí?

               PEDRO
               Aí o picareta ganha na loteria e volta para
               comprar a fazenda de verdade.

Davi tira o prato de Isaura e dá para Pedro.

               DAVI
               Sei. E depois?

               PEDRO
               A família, que não sabe do prêmio, expulsa o
               comprador e perde a grande chance de vender a
               fazenda.

               DAVI
               Que final triste.

               PEDRO
               Mas este final triste é só no conto. No meu
               roteiro eles transformam a fazenda num hotel
               temático e ganham muito dinheiro. Isso é
               exatamente o que pretendo fazer na vida real.

               DAVI
               Que ótimo! O senhor não quer um queijo?

               PEDRO
               Aceito. O meu plano é filmar a primeira parte com
               a fazenda em ruínas e depois reformar tudo.

Pedro abre na mesa um projeto arquitet"nico do Hotel Fazenda
Sétima Arte.

               PEDRO
               O público vai querer conhecer a fazenda onde o
               filme foi feito. O hotel vai ser um sucesso. Sabe
               quem fará o papel do comprador?

               DAVI
               Quem?

               PEDRO
               Ricardo André.

               ZILDA
               (impressionada) Ricardo André!

               ISAURA
               (emocionada) Não me diga! O Ricardo André aqui em
               casa?

               DAVI
               Quem é Ricardo André?

               ISAURA
               (para Pedro) Desculpe a ignorância. (para Davi) O
               Neco de "Alma em Chamas".

INSERT - Plano curto de novela (arquivo), com o ator que faz
Ricardo André.

               ZILDA
               O doutor Marcos de "A Ingrata".

INSERT - Plano curto de outra novela (arquivo), com o ator que
faz Ricardo André.

Davi continua boiando.

               ISAURA
               (irritada) Aquele do comercial da barata bêbada.

INSERT - Plano curto de Ricardo André usando um spray contra
baratas.

               DAVI
               Ah, sei.

               PEDRO
               Ele está interessadíssimo no projeto. Me pediu
               para conhecer a locação.

               DAVI
               Que locação?

               PEDRO
               A casa. A fazenda.

Zilda aproxima-se de uma cortina que tem a mesma padronagem do
seu vestido. Isaura percebe e fica aflita.

               ISAURA
               Claro. A locação. Zilda, você não quer mostrar a
               locação para o doutor Pedro?

               ZILDA
               Será um prazer.

               DAVI
               (para Pedro) Dá uma olhada na piscina. Aposto que
               o senhor nunca viu tanto mosquito. Nem em
               Hollywood o senhor encontra mosquito mais feroz
               que os daqui.

               ZILDA
               (à parte, para a mãe) O vestido não tá curto
               demais, mãe?

Isaura olha para as coxas da filha.

               ISAURA
               Tá. Ainda bem. Vai com tudo, minha filha (faz o
               sinal da cruz) Que Deus nos perdoe.

CENA 12 - FAZENDA DO ESPIGÃO/JARDIM INTERNO - EXTERIOR - DIA

Zilda e Pedro caminham pelo jardim em ruínas.

               PEDRO
               Pelo visto, tudo aqui é natural, saudável... Eu
               diria mais: tudo aqui parece ter um frescor...
               (respira fundo) Sinto no ar um cheiro de mata
               virgem.

               ZILDA
               (envergonhada) Mas também temos muita terra pronta
               para ser semeada.

Pedro pega uma flor, murcha, de uma planta mal-cuidada.

               ZILDA
               (sem graça) Não tem quem cuide...

               PEDRO
               O ideal para o filme é um jardim sem plantas. É
               muito simbólico.

               ZILDA
               Eu adoro filmes simbólicos. Nesse filme não tem
               romance?

               PEDRO
               Claro que sim. A verdadeira motivação do comprador
               é a filha do dono da fazenda, uma menina tímida do
               interior. Ele se apaixona por ela à primeira
               vista.

               ZILDA
               Que bonito. E eles acabam juntos?

               PEDRO
               Acabam.

               ZILDA
               E quem vai fazer a mocinha?

               PEDRO
               Ainda não sei. Vou fazer uns testes. Quem sabe
               você aceita...

               ZILDA
               Eu? (teatral) Eu? Não, eu não poderia. Sou apenas
               uma menina tímida do interior.

               PEDRO
               Mas é perfeita! Você precisa fazer um teste!

               ZILDA
               Imagine, fazer um filme com Ricardo André. Tem
               cena de beijo?

               PEDRO
               Duas.

               ZILDA
               E como seria o teste?

               PEDRO
               Uma cena. Romântica. Você faz?

               ZILDA
               Vou pensar.

CENA 13 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA - INTERIOR - NOITE

Zilda e Pedro chegam. Davi e Isaura aproximam-se, ansiosos.

               DAVI
               E então? Gostou?

               PEDRO
               (olhando para Zilda) Muito.

               ISAURA
               Viram o campo?

               ZILDA
               Vimos, ele achou horrível, perfeito.

               DAVI
               O senhor precisa ver o pântano, é uma beleza, uma
               desolação. Além dos carrapatos, nós temos umas
               sangue-sugas bonitas aqui! Uns bichos gordos, bem
               tratados...

               PEDRO
               Quem sabe amanhã.

               DAVI
               (surpreso) Amanhã?

               PEDRO
               Meu vôo é amanhã às duas da tarde. Já reservei um
               quarto no hotel da cidade.

               DAVI
               Nem pensar. O senhor dorme aqui. Não temos luxo,
               mas uma cama limpa e macia eu lhe garanto! Fique à
               vontade.

               PEDRO
               Se o senhor insiste... Aproveito a noite para
               fazer um pequeno teste com sua filha.

               DAVI
               Também não precisa ficar à vontade demais.

               PEDRO
               Um teste cinematográfico. Sua filha é perfeita
               para o filme.

               ISAURA
               Então o senhor janta conosco. É comida simples.

               PEDRO
               Meu prato preferido.

               DAVI
               (para Isaura) Isaura, o aperitivo.

CENA 14 - FAZENDA DO ESPIGÃO/VARANDA - EXTERIOR - NOITE

Davi e Pedro tomam cachaça em pequenos copos. Pedro termina uma
dose.

               PEDRO
               Maravilhosa.

               DAVI
               Feita aqui, num alambique decadente. Então o
               senhor está gostando?

               PEDRO
               Tanto que tenho receio do que pode acontecer
               agora.

               DAVI
               Receio do quê?

               PEDRO
               De ouvir o preço. Eu sei que há coisas que não tem
               preço, e que não podem ser compradas, por maior
               que seja o desejo do comprador. (olha para Davi,
               ainda muito sério). Qual é o preço?

Davi engole em seco e dispara.

               DAVI
               Seiscentos e cinqüenta!

               PEDRO
               (voltando a sorrir) Pois não é caro. Está bem mais
               razoável do que imaginei.

Davi morde os lábios e tenta emendar.

               DAVI
               Seiscentos e cinqüenta, sim, mas... o cavalo fora.

               PEDRO
               É justo.

               DAVI
               ...e fora também as galinhas.

               PEDRO
               Perfeitamente.

               DAVI
               E a mobília.

               PEDRO
               É natural. Para isso, teremos um cenógrafo.

Davi arremata.

               DAVI
               À vista!

               PEDRO
               Com toda certeza! (abre os braços) Davi, dá cá um
               abraço!

CENA 15 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE JANTAR - INTERIOR - NOITE

Os quatro terminam de jantar.

               ISAURA
               (serve água de uma moringa) O senhor vai
               experimentar a água do nosso poço.

Pedro toma a água, cerimoniosamente. Toma todo copo, aperta os
lábios, passa a ponta da língua sobre eles.

               PEDRO
               Na cidade, dona Isaura, uma água assim, pura,
               cristalina, vale o melhor dos vinhos. Felizes os
               que podem bebê-la!

Zilda e Isaura também tomam um pouco de água, saboreando-a com
certo exagero.

               PEDRO
               (examina a moringa) E esta moringa? Simples,
               singela, perfeita.

               DAVI
               Está até rachada.

Pedro cruza os talheres, afasta o prato.

               PEDRO
               Que delícia! (para Isaura) A senhora poderia abrir
               um restaurante!

               ISAURA
               Bondade sua.

               PEDRO
               Se a senhora abre um bolicho com essa comida
               campeira, em São Paulo ou Paris... (para Davi) Mas
               não quero lhe roubar a esposa...

Pedro olha para Zilda.

               PEDRO
               Já a filha... Mas ela já deve ter mil
               pretendentes.

Zilda enrubesce.

               ISAURA
               Aqui fora, só aparece gente grossa.

               ZILDA
               Aceita um licor?

               PEDRO
               Não, obrigado, álcool depois das refeições me dá
               cefalalgia. E ainda temos trabalho hoje. Decorou
               as falas?

               ZILDA
               Acho que sim.

               PEDRO
               Então vamos. Prefiro fazer o teste ao ar livre.

CENA 16 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA - INTERIOR - NOITE

Isaura e Davi folheiam um dicionário.

               DAVI
               Sefardim, sefardita, sega. Não é com "s".

               ISAURA
               Vê com "c".

Davi encontra "cefalalgia" e lê.

               DAVI
               Aqui, cefalalgia. Dor de cabeça. Ora! Uma coisa
               tão simples!

               ISAURA
               E você acha que um homem desses vai ter uma
               simples dor de cabeça?

CENA 17 - FAZENDA DO ESPIGÃO/JARDIM INTERNO - EXTERIOR - NOITE

Estrelas no céu, grilos, sapos, trilha romântica.

               PEDRO
               Esse cri-cri dos grilos, é encantador!

               ZILDA
               Mas é muito triste. Prefiro o canto estridente das
               cigarras, fazendo melodias em plena luz.

               PEDRO
               (pausa, olha Zilda no fundo dos olhos) É que no
               seu coração há qualquer nuvem a sombreá-lo.

               ZILDA
               O senhor é um poeta!

               PEDRO
               Quem não é, debaixo das estrelas do céu, ao lado
               duma estrela da terra?

               ZILDA
               (palpitante) Pobre de mim.

Pedro olha para o céu estrelado. À medida em que fala, levanta-se
e aproxima-se de Zilda. Ficam lado a lado, quase encostados.

               PEDRO
               O amor... A Via Láctea da vida! (dá uma conferida
               no roteiro) Amar, ouvir estrelas... Amai, pois só
               quem ama entende o que elas dizem.

               ZILDA
               Que belas palavras... Pena que sejam falsas.

               PEDRO
               Não estou entendendo.

               ZILDA
               Eu descobri que o senhor é um farsante. Pensei que
               nunca voltaria a vê-lo.

               PEDRO
               Eu disse que voltaria.

               ZILDA
               O que o senhor diz vale tanto como o canto da
               cigarra. Se perde ao vento.

               PEDRO
               Diga que desconfia do meu amor e eu partirei para
               sempre.

Zilda segura-o pelo braço.

               ZILDA
               Ainda não. Não deixarei que parta sem que... sem
               que...

Pedro dá uma olhada no roteiro.

               PEDRO
               Sem que me pague...

               ZILDA
               Sem que me pague uma última promessa.

Os dois ficam parados, muito próximos, olho no olho.

               ZILDA
               E agora?

               PEDRO
               Eles se beijam.

Zilda desarma o personagem.

               ZILDA
               Que tal?

               PEDRO
               Muito bom.

               ZILDA
               Fiquei um pouco nervosa.

               PEDRO
               Não pareceu.

               ZILDA
               Faltou alguma coisa?

               PEDRO
               Faltou. O beijo.

Pedro segura Zilda pelos ombros e dá-lhe um beijo.

               ZILDA
               Humm... É assim que os atores beijam no cinema?

               PEDRO
               Não sei. Quando era ator nunca dei um beijo assim,
               apaixonado.

               ZILDA
               Você já foi ator? Que filme?

               PEDRO
               Você não deve ter visto. "Uma Fazenda Muito
               Louca".

               ZILDA
               Infantil?

               PEDRO
               Não muito.

               ZILDA
               Tinha cenas de beijos?

               PEDRO
               De vários tipos.

               ZILDA
               Qual o seu tipo preferido? Me ensina?

Pedro olha para ela, completamente apaixonado.

               PEDRO
               Ensino.

Beijam-se apaixonadamente.

CENA 18 - FAZENDA DO ESPIGÃO/QUARTO - INTERIOR - NOITE
eliminada

CENA 19 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FACHADA - EXTERIOR - DIA

Pedro, com a pasta e o tubo na mão, na frente da casa da fazenda.
O táxi chega.

               PEDRO
               Tenho que ir, ou perco o avião.

               ISAURA
               Espera só um instantinho.

Isaura corre na direção da casa.

               DAVI
               (inseguro) E... Pedro... Como nós vamos fazer
               para... oficializar o negócio?

               PEDRO
               Já está tudo OK no Ministério. Semana que vem,
               vamos até o cartório e assinamos tudo. Posso
               mandar o contrato por fax. O senhor tem fax aqui
               na fazenda, não tem?

               DAVI
               Tenho, claro. Mas não se preocupe com papelório. O
               pagamento é à vista, não é?

               PEDRO
               À vista.

Pedro olha para Zilda. Zilda sorri. Isaura chega com um pacote
nas mãos e entrega-o para Pedro.

               ISAURA
               Um queijo. E ovos das nossas galinhas. Quer dizer,
               das suas galinhas, para o senhor ir se
               acostumando.

Davi entrega a ele a moringa.

               DAVI
               E a moringa que o senhor gostou.

               PEDRO
               Não posso aceitar.

               DAVI
               Se não aceitar nos ofende.

               PEDRO
               Eu levo... Como uma prova de que ainda existe
               gente maravilhosa como vocês, que entregam o que
               tem de mais precioso por acreditarem num homem
               simples - e sincero - como eu. E, é claro, por
               acreditarem no cinema brasileiro.

Pedro entra no táxi e dá um último adeusinho. O táxi arranca, bem
devagar. Zilda enxuga uma lágrima. Davi percebe e coloca
carinhosamente a mão no ombro da filha.

               DAVI
               Foi um milagre aparecer um comprador como esse.

               ISAURA
               Nem dá para acreditar.

CENA 20 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE JANTAR - INTERIOR - NOITE

CARTÃO - "DUAS SEMANAS DEPOIS"

Davi, Isaura e Zilda estão na sala. Toca o telefone, que agora
está acoplado a um aparelho de fax. Davi levanta-se e atende.
Isaura e Zilda olham para ele, ansiosos. Davi ouve por alguns
instantes, depois desliga.

               ISAURA
               Era ele?

               DAVI
               Não. Era o seu Ernesto querendo receber o que
               estamos devendo. O queijo, a torta, os ovos, os
               biscoitos... Isso sem falar no fax, que eu prometi
               devolver semana passada.

               ISAURA
               Esse sujeito nos enganou.

               ZILDA
               Talvez ele esteja com algum problema com o
               patrocinador.

CENA 21 - HALL DA PENSÃO - INTERIOR - DIA

Pedro está passando rapidamente pelo hall da pensão, carregando
uma sacola e o canudo com o banner. OSMAR, o dono da pensão (40
anos), de repente, aparece na sua frente, cortando-lhe o caminho.

               OSMAR
               Seu Pedro!

               PEDRO
               Seu Osmar, que prazer em vê-lo.

               OSMAR
               São dois meses atrasados, seu Pedro, isso sem
               contar a conta do telefone. Sinto muito, mas vou
               ter que despejar o senhor.

               PEDRO
               (ofendido) Me despejar? Mas por quê? Eu já lhe
               expliquei que...

               OSMAR
               Não pense que o senhor vai me enrolar com essa
               história de cinema.

               PEDRO
               O contrato já foi redigido. O dinheiro deve estar
               entrando no banco hoje mesmo. Só falta uma
               assinatura.

               OSMAR
               Foi o que o senhor me disse na semana passada.

Toca o telefone. Osmar vira-se para atender. Pedro aproveita e
sai.

               OSMAR
               Alô. Só um minuto. (para Pedro) Ei! Ei! De hoje
               isso não passa! (ao telefone) Alô? (...) Sim?
               (irritado) Acabou de sair.

Coloca o fone no gancho. Davi entra na pensão.

               DAVI
               Boa tarde. Eu quero falar com Pedro Trancoso.

               OSMAR
               E eu também! Quando eu pegar esse desgraçado, vou
               acabar com ele.

               DAVI
               Pois justamente é o que eu gostaria de fazer. Meu
               nome é Davi Moreira de Souza e eu...

               OSMAR
               Olha... Seu Davi. Eu vou poupar o senhor da
               explicação. O senhor tem uma fazenda?

               DAVI
               Tenho. Como tu sabe?

               OSMAR
               E o Pedro Trancoso esteve lá na sua propriedade,
               não é? Disse que queria fazer um filme. Ele foi
               muito simpático. Tão simpático que o senhor
               convidou ele pra jantar.

               DAVI
               (confuso) E pra dormir.

               OSMAR
               E o grande produtor cinematográfico dormiu e comeu
               do bom e do melhor. Eu já ouvi essa história
               antes... Por acaso, o senhor lhe deu algum
               presente?

               DAVI
               Por quê?

Osmar abre um armário e retira dali um pelego, uma garrafa de
pinga, duas rapaduras, a moringa.

               OSMAR
               Ele usa os presentes para aliviar a dívida aqui na
               pensão.

Davi reconhece a moringa.

               DAVI
               Minha moringa.

               OSMAR
               O senhor já viu o filme que ele fez, quando era
               ator?

               DAVI
               Não.

               OSMAR
               "Uma fazenda muito louca". Dá uma olhada que vale
               a pena, têm em vídeo. Mas não deixe a sua mulher
               ver junto. (compadecido) E pode levar a sua
               moringa.

Davi sai, cabisbaixo. RICARDO ANDRÉ, o galã, cruza com ele e vai
falar com Osmar, que está fazendo contas no balcão.

               RICARDO ANDRÉ
               Eu quero falar com o Trancoso.

               OSMAR
               (sem olhar para Ricardo André) O senhor e a
               torcida do Flamengo.

               RICARDO ANDRÉ
               É importante. Onde ele está?

Osmar levanta os olhos e fica muito surpreso.

               OSMAR
               Eu conheço o senhor, o senhor é Ricardo André, O
               Doutor Marcos, de "A Ingrata"! E o idiota do
               comercial da barata bêbada. Sensacional!

               RICARDO ANDRÉ
               (brabo) Em breve, serei conhecido como o astro de
               "O comprador de fazendas". Saiu o patrocínio.
               Quase dois milhões. Onde está o Trancoso?

CENA 22 - ESCRITÓRIO - INTERIOR - DIA
Eliminada

CENA 23 - LOCADORA DE VÍDEO - INTERIOR - NOITE

A ATENDENTE aponta para uma das prateleiras. Zilda olha na
direção apontada. Zilda passeia num dos corredores, olhando os
títulos. A porta da locaora abre e fecha às suas costas. Alguém
entra. A mão de Zilda passa pelas lombadas das fitas: "Como
consolar viúvas", "As desquitadas em lua de mel", "As cangaceiras
eróticas", "O bem dotado", "Aventuras de um jumento tarado", "O
filho do jumento tarado", "Uma fazenda muito louca". Sua mão pára
sobre a fita "Uma fazenda muito louca". Zilda tira a fita da
prateleira. Olha a capa. Há uma garota bonita, de biquini, em
primeiro plano e um jumento ao fundo. Pedro, ao lado da garota,
nu, tem o sexo coberto por uma tarja preta.

               DAVI (OFF)
               Eu também quero ver esse filme.

Zilda leva um susto. Vira-se. É seu pai, com a moringa na mão.

CENA 24 - HALL DA PENSÃO - INTERIOR - NOITE

Pedro assina um cheque e entrega para Osmar. Ricardo André está
ao lado de Pedro.

               PEDRO
               Está pago. E mais um mês adiantado.

               OSMAR
               Tem certeza que tem fundo?

               PEDRO
               Tem e sobra. Quase dois milhões.

               OSMAR
               E o que tu vai fazer com todo esse dinheiro.
               Pedro?

               PEDRO
               O que o senhor acha? Vou fazer o filme. Já tenho o
               ator (bate no ombro de Ricardo André) e a atriz. E
               que atriz.... (para Ricardo André) A fazenda é
               perfeita. Uma ruína. Mas o melhor é a moça. Você
               vai ver amanhã.

               RICARDO ANDRÉ
               À noite tenho um compromisso na cidade. Baile de
               debutantes. Vinte mil, sem nota.

               PEDRO
               É só para conhecer a moça. E a casa. A família é
               gente simples, me tratam como um filho. Você vai
               ver. Eles me adoram. (para Osmar) O senhor já
               esteve apaixonado de verdade, seu Osmar? De
               verdade mesmo? Então deve saber como é. Dói. Dói
               muito.

CENA 25 - LOCADORA DE VÍDEO - INTERIOR - NOITE
(com insert de FILME PORNÔ)

INSERT (cena de filme pornô - campo)
Pedro Trancoso, de cabelos compridos e com calça boca de sino,
beija a garota bonita. De repente, a garota interrompe o beijo,
olha para o lado e abandona Pedro. A garota corre até um jumento
e o abraça.

Zilda e Davi, ambos de boca aberta, nas proximidades do balcão da
locadora, assistem ao filme num monitor preso a um rack na
parede. Estão muito constrangidos. O jumento zurra.

               DAVI
               Isso deve doer. Doer muito.

INSERT (cena do filme - campo)
Pedro tenta fazer uma cara de desalento, demonstrando toda a sua
falta de talento.

Davi e Zilda olham-se, ainda mais constrangidos.

CENA 26 - CARRO - EXTERIOR - NOITE
eliminada

CENA 27 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE JANTAR - INTERIOR - DIA

A família reunida. Clima de enterro.

               ISAURA
               Um moço que parecia tão educado...

               DAVI
               (para Isaura) Ele é um cachorro. (dá uma olhada
               para Zilda) O único filme que fez na vida é...
               É... É uma pouca vergonha! Eu vou matar esse
               desgraçado!

               ISAURA
               Deus me livre, Davi. Quer acabar preso?

               DAVI
               Matar é jeito de falar. Vou só tirar o couro.

               ISAURA
               Quem manda ser bobo? Ele não cometeu nenhum crime,
               não roubou nada. Tudo que ele pegou nós demos de
               presente. De mão beijada.

Olha para Zilda. Zilda sai da sala, chorando.

CENA 28 - FAZENDA DO ESPIGÃO - FRENTE - EXTERIOR - DIA

Pedro e Ricardo André descem do carro na frente da fazenda.

               PEDRO
               Não é uma beleza?

               RICARDO ANDRÉ
               Ótima. Está caindo aos pedaços.

               PEDRO
               Eu não falei? Dá uma olhada no jardim, é um
               desastre. Eu vou avisar que nós chegamos.

CENA 29 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE JANTAR - INTERIOR - DIA

Davi serve um copo de água da moringa. Olha para um santo
Expedito na parede.

               DAVI
               Santo Expedito há de cruzar o meu caminho com esse
               cachorro.

A porta se abre. Pedro entra, sorridente, o canudo do banner na
mão.

               PEDRO
               Bom dia.

Davi e Isaura olham para ele, pasmos. Isaura olha para o santo e
faz o sinal da cruz. Davi pega a moringa e olha para o santo.

               DAVI
               Obrigado, meu santo.

CENA 30 - FAZENDA DO ESPIGÃO/JARDIM INTERNO - EXTERIOR - DIA

Ricardo André passeia entre as árvores. Zilda chega, chorando.
Ricardo André se vira. Ela olha para ele, boquiaberta.

               RICARDO ANDRÉ
               Bom dia.

Ela continua paralisada.

               RICARDO ANDRÉ
               (constrangido) Muito bonito aqui. As plantas, os
               musgos...

               ZILDA
               (nervosa) Que belas palavras... Pena que sejam
               falsas.

               RICARDO ANDRÉ
               Não estou entendendo.

               ZILDA
               Eu descobri que o senhor é um farsante. Pensei que
               nunca voltaria a vê-lo.

               RICARDO ANDRÉ
               Por acaso eu lhe conheço? Eu nunca estive aqui.

               ZILDA
               O que o senhor diz vale tanto como o canto da
               cigarra. Se perde ao vento.

               RICARDO ANDRÉ
               A senhora me desculpe, mas eu tenho um
               compromisso...

Zilda segura-o pelo braço.

               ZILDA
               Ainda não. Não deixarei que parta sem que me pague
               uma última promessa.

Zilda agarra Ricardo André pelos ombros e tasca-lhe um beijo na
boca.

Som de uma moringa sendo quebrada na cabeça de alguém.

CENA 31 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE ESTAR - INTERIOR - DIA

Pedro ergue-se, confuso. Cacos de moringa pelo chão.

               PEDRO
               Eu já expliquei.

Davi pega uma vassoura e começa a bater em Pedro.

               DAVI
               Eu vi o seu filme, cachorro. Fazer aquilo com a
               pobre garota!

Pedro protege-se das vassouradas com o canudo do banner.

               PEDRO
               Jumento tava na moda. E a garota gostava dele.

               DAVI
               Ah, desgraçado. Cadê a espingarda?

               ISAURA
               Calma, Davi!

               PEDRO
               As cenas de sexo foram feitas por um dublê, eu sou
               bem diferente. (desesperado) Pergunta pra Zilda.

               DAVI
               O quê? Eu te mato! Cadê a espingarda?

Pedro larga o banner e sai correndo para fora da casa.

               DAVI
               Solta os cachorros, Isaura!

               ISAURA
               Pega, Brinquinho! Isca, Joli!

CENA 32 - FAZENDA DO ESPIGÃO/FRENTE - EXTERIOR - DIA

Pedro sai correndo da casa, seguido pelos cachorros. Encontra-se
com Ricardo André, que vem do jardim.

               PEDRO
               Eles são loucos!

               RICARDO ANDRÉ
               Já percebi!

Os dois cachorros avançam. Pedro e Ricardo André entram no carro.
Os cachorros latem no vidro. Davi e Isaura aproximam-se.

               DAVI
               (carregando a espingarda) Volta aqui, desgraçado,
               eu te mato!

               RICARDO ANDRÉ
               Vamos embora!

O carro arranca, os cachorros atrás. Zilda vem correndo. Davi
aponta a arma, mas Zilda empurra o cano para cima. Davi dispara.
A caminhonete de Pedro some depois do portão.

               ZILDA
               Aquele é o Ricardo André! Você tentou matar o
               Ricardo André!

               ISAURA
               Ricardo André? Meu Deus!

               DAVI
               Quem é Ricardo André?

CENA 33 - FAZENDA DO ESPIGÃO/SALA DE ESTAR - INTERIOR - NOITE
(com inserts na TV de ENTREVISTA e FILME)

A fazenda continua na mesma penúria, até pior. Davi, Isaura e
Zilda assistem televisão, em silêncio.

INSERT/TV
Na TV, Ricardo André dá uma entrevista.

               RICARDO ANDRÉ
               Eu acreditei no projeto desde o início. O texto do
               Monteiro Lobato é uma maravilha, o roteiro, as
               locações, tudo perfeito. Estou muito feliz. Claro
               que o principal mérito é do Pedro.

Repórter vira-se para Pedro Trancoso.

               REPÓRTER
               O quê a indicação para o Oscar representa para o
               filme?

               PEDRO
               Toda esta divulgação deve aumentar ainda mais o
               interesse do público pelo filme.

               REPÓRTER (OFF)
               Mais bilheteria...

               PEDRO
               Dinheiro para mim é o de menos. O importante é a
               gente ter um sonho e acreditar nele.

INSERT/FILME
Na TV, passa uma cena do filme, a cena do jardim, com Ricardo
André e PATRÍCIA MASCARENHAS, 20 anos. Zilda e família assistem e
choram. Sobem os créditos.

               PATRÍCIA MASCARENHAS
               O senhor é um poeta!

               RICARDO ANDRÉ
               Quem não é, debaixo das estrelas do céu, ao lado
               duma estrela da terra?

               PATRÍCIA MASCARENHAS
               (palpitante) Pobre de mim.

               RICARDO ANDRÉ
               O amor... A Via Láctea da vida! Amar, ouvir
               estrelas... Amai, pois só quem ama entende o que
               elas dizem.

Beijam-se. A família chora. As estrelas e uma linda lua emolduram
a Fazenda do Espigão.

FIM

(c) Carlos Gerbase e Jorge Furtado, 2001
Casa de Cinema de Porto Alegre
http://www.casacinepoa.com.br

09/05/2001

AnexoTamanho
comprad.txt52.84 KB